terça-feira, 15 de dezembro de 2015

Alice era escritora (?)
Perguntava-se repetidas vezes se era ou se ainda continua sendo.
Definitivamente não sabe qual verbo conjugar para si.
Desde criança tinha especial interesse pelas palavras e fizera com elas um casamento quase perfeito, no entanto parece que a instituição está em declínio.
As palavras simplesmente resolveram se divorciar de Alice.
Que ousadia, pensava Alice. Como ousam?!
Em um ímpeto, protestaram: agora é cada um por si.
Finalmente mostraram autonomia nessa relação de subordinação e insuborsinou-se contra aquela que resolveu usa-las com tamanha precaução, calculando-as friamente cada espaço que deveriam ocupar.
Visto dessa maneira faz todo sentido, minha cara Alice.
Quem gostaria de perder sua liberdade, presa em uma relação de dominação?, ainda que de modo velado?
As palavras bem que tentaram dialogar, mas em relações assim, esse verbo não conjuga.
Portanto, não as culpe.
Foi necessário muito tempo para que finalmente afrontasse seu agressor.
Sentença: autodefesa.

A.K.

sábado, 27 de junho de 2015

Não foi necessário muitos acasos:
Um bar cheio
E uma balada vazia,
para que seus destinos se cruzassem.
Ambos, pessoas comuns à primeira vista.
Entretanto, para quem observa com calma percebe a grandeza das almas e dos medos.
Apesar do medo: um insiste em querer avançar só que encontra forte resistência do outro lado.
Involuntária.
Os traumas são grandes, afinal.
Ainda assim persiste: mais barreiras.
Uma ligação e um distanciamento tão grande.
Paulo insistiu tanto. Do seu jeito, timidamente. Mas sua parte ele fez.
Marcos, até queria...
Tão diferentes.
Tão iguais em medos.
Paulo foi vencido, não pelo cansaço. E sim, pelos medos de Marcos.
Essa história poderia ser protagonizada por Camila's e Maria's. Amanda's e Rodolfo's. Tanto faz... a moral é a mesma.
A.K.

segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

Vida, imprevisível és tu.
Detentora de grande mistério.
Questão faz de esfregar na cara quem está no controle.
João surtou ao tentar te compreender.
Maria engrandeceu ao adentrar em seu mistério.
Mas na sua história
Nem quem surta
Nem quem engrandece
Sobrevive.
A.K.

terça-feira, 9 de setembro de 2014

Manu, na sexta-feira após o expediente sentou-se na mesa de um badalado bar de sua cidade de origem.
Logo de cara pediu uma dose dupla de Martini.
- O momento exige, disse ao garçom que lhe atendeu.
Nesse dia optou pela sua própria companhia. Não que a companhia de seus amigos não lhe serviria. Entretanto, ela necessitava de um tempo consigo mesma. Ainda que ironicamente seu recolhimento tenha sido em um bar e acompanhada de Martini. É, em Manu ainda lhe restava algumas ações movidas pela imprevisibilidade.
Ela era uma jovem de 20 e poucos anos. Beleza comum para os padrões da mídia. No entanto, alguns anos atrás para esse mesmo padrão da mídia ela continuava sendo uma beleza comum, porém para quem a conhecia ela era dotada de uma beleza extraordinária, pois Manu era autêntica, sonhadora. Atualmente recém saída de um término de namoro e também havia alcançado ascensão profissional não tinha dois anos completos. Acontece que, entre o término do namoro e a ascensão profissional havia uma lacuna.
Não que o término não lhe afetasse. Sim, ela realmente sentia aquele término. Nem o término serviu de inspiração para voltar a escrever (pensou ela). Mas o que a deixava incompleta era o fato de ter alcançado ascensão profissional em uma área que ela optou por conveniência.
Sim, muitas vezes escolhemos por conveniência.
Justamente o que lhe incomodava era o fato de ter optado por algo que não combinava com seu perfil e ela não entendia o por que da escolha. Justamente ela que se considerava tão dona de si, não entendia o motivo de ter abandonado o seu sonho de escrever para cursar administração (que me desculpe os administradores, mas há quem afirme que esse curso é dos indecisos). E sim, Manu por algum motivo optou aos 18 anos pela administração e não pela escrita.
Hoje, com apenas 20 e poucos anos experimenta o sucesso profissional mas acompanhado da frustração pessoal.
Ainda por cima, pra completar Manu não consegue escrever mais (nem a bebida, nem o término da namoro, nem a frustração lhe servem de inspiração). A escrita que antes era canal de libertação tornara-se pesada e inexpressível. Contraditório, pois justamente a escrita que ela sempre usava para se expressar, tornou-se linguagem sem expressão. Linguagem não verbalizada.
Manu, pediu ainda mais algumas doses e continuou refletindo por longa data sobre as escolhas feitas.
Precisava tomar uma decisão pois não estava feliz. Entretanto, embora jovem, o estresse da profissão, da correria, da vida e principalmente das escolhas mal feitas lhe havia enrijecido a sensibilidade e isso estava lhe apressando a sua morte.
Já avançava a hora quando ela resolveu ir pra casa. Não havia chegado a uma conclusão sobre seu dilema.
Antes porém de sair pediu mais uma dose e um último pensamento lhe veio à mente. Um último fantasma lhe penetrou a razão.
Pensou justamente que a hora já estava avançada e amanhã (justamente no sábado) teria uma reunião importante que não poderia faltar. Que tudo aquilo se tratava da vida real e não ilusões juvenis.
Assim como muita gente, Manu deixou de sonhar e lutar pelo que deseja. Sonhos viraram clichês infantis. Infelizmente, cresceu e acha que para seus anseios não há mais espaço. Aos poucos também vai deixando de sonhar. Aos poucos também passa a acreditar na maior das inverdades que se materializa como verdade absoluta. A saber: a partir de uma escolha feita torna-se obrigatório seguir adiante com essa escolha, ainda que ela não seja a melhor das opções. Seguir sempre adiante pois a vida também segue seu curso. Poucos contrariam o sistema e recomeçam quantas vezes forem necessárias para alcançarem sua plenitude.

A.K.

sábado, 23 de agosto de 2014

Dizem que as pessoas nos oferecem o que tem pra oferecer. Mas na verdade cada um oferece exatamente o que quer oferecer.
Oferecem-nos amores pela metade.
Agendas sempre cheias.
Geralmente são sempre "meio" amigos.
São sempre mais ou menos em tudo.
De outro modo, quando estão realmente dispostos se entregam por inteiro.
Entregam-se por inteiro a um amor.
Encontram sempre espaço em suas agendas sempre tão abarrotadas.
São amigos por inteiro.
Portanto, não se trata de oferecer o que tem a ser oferecido. Trata-se de oferecerem exatamente o que querem oferecer. É simples. Em excesso estão dispostos a oferecer apenas desculpas esfarrapadas pelo seu comportamento mais ou menos.
Agora quanto a parte receptora.
Está sim, decide se quer receber sempre metades incompletas e achar que é isso que lhe cabe. Desse modo, se contentar com metades a vida inteira e não se julgar merecedora de mais.

A.K

quinta-feira, 10 de julho de 2014

Tem silêncio que agride.
Digo mais: o teu silêncio me agride.

A.K.
Querida,
Querida? Ainda que essa expressão denote intimidade entre duas pessoas, parece-me tão informal chama-la de “querida”, visto tamanha intimidade que havia entre nós até 7 dias atrás. Intimidade cultivada dia a dia durante os últimos 4 anos de nossas vidas.
Há dias ensaio sobre como e o que lhe escrever. Sentado horas a fio com papel e caneta na mão, tento organizar os pensamentos tão congestionados. Em vão. Finalmente depois de intermináveis ensaios consegui uma ponta de raciocínio em meio aos sentimentos que se sobrepunham em abundância. Talvez seja isso: estou sufocado. Mas situações difíceis clamam por soluções difíceis (não vou me matar, ainda que sem você pareça à morte. Mas preso muito mais pela vida).
Não gosto de whisky, essa bebida forte, no entanto, precisei de três doses duplas para começar a organizar os pensamentos. Ana, quero lhe dizer que o teu silêncio me agride. Sim, o teu silêncio me agride. Quisera eu levar uma bofetada na cara ou ouvir insultos, qualquer coisa que justificasse o seu sumiço. Mas não, ao contrário, você simplesmente desapareceu.
Longe de mim querer ser machista, mas normalmente somos nós os homens os que estragam as relações. Longe de vocês serem perfeitas, mas é tendência nossa pisar na bola. Mas conosco não, nunca pisei na bola, sempre procurei fazer o melhor (dentro das minhas limitações) para nós. Estou desesperado. Sem rumo. Sem saber o que aconteceu. Se eu errei, ao menos me avise. Tudo bem se não quiser me bater, mas me avise. Me avise.
Não seja você a babaca da história.
Ana, o teu silêncio me agride.

Com carinho, do perdido (mas não eternamente nessa condição)

Gustavo

A.K.

segunda-feira, 30 de junho de 2014

Escrevo não à procura de palavras que façam sentido.
Escrevo justamente pela busca de sentido que as palavras me encaminham.
No papel não há a intenção de coerência.
Apenas transborda a incansável busca de respostas que o interior suplica.
Muitas vezes o silêncio ecoa.
Noutras as palavras não encontram formas.
Em outras elas ganham expressão.
Depende.
Tudo depende e nem sempre é da gente.

A.K.

sexta-feira, 13 de junho de 2014

Hoje o choque de realidade foi cruel...
Há anos alimentei uma falsa ilusão.

A.K.

sábado, 7 de junho de 2014

O passar dos dias nos ensinam duas coisas.
Certamente nos ensinam muito mais, no entanto, a minha insensibilidade me permitiu apenas duas constatações.
O primeira se trata da mais óbvia das lições sobre a vida: que a vida segue seu percurso independente de estarmos ou não estacionados. É muito simples: os dias passam. Já dizia Cazuza: "O tempo não pára".
O outro ensinamento e não tão óbvio quanto o primeiro (mas de grandeza igual) é que os dias nos mostram a nossa capacidade de recomeçar. Assim como o nascer do sol nos indica que um novo dia se põe e o pôr do sol representa o término de mais um dia. E assim sucessivamente. Estamos defronte, portanto, da máxima da nossa capacidade de também renascermos, dia após dia.
Constatações óbvias parecem clichês. Mas, acreditem, tem muita gente incapaz de enxergar o óbvio.

A.K.

quinta-feira, 29 de maio de 2014

- Você está com a cara péssima.
- Oi? O que você disse?
- Você está com a cara péssima Joana, disse novamente meu vizinho.
Sorri com o canto dos lábios e respondi:
- Tem sido dias difíceis, Sr. Jorge.
Não quis dar muita conversa. Não estava para conversas e desabafos. Então continuei seguindo meu caminho e envolta em meus tormentos de pensamentos.
Mal sabia ele que a expressão do externo não representava um milésimo do que eu estava sentindo. Melhor mesmo não saber, pensei.
Pois, é. Hoje faz exatamente um mês que Laura partiu. E um mês que Laura morreu dentro de mim. E isso sangra. Dói.
As memórias ainda estão aqui. Os momentos ainda estão presos em um passado tão presente.
Mas de tudo que aprendi com Laura é que pessoas partem sem motivos. Simplesmente vão de nossas vidas e deixam lacunas irreparáveis.
E sim, essa se trata de uma história de amor que não deu certo. Uma história como tantas outras. Histórias como as de Anas e Robertos, Josés e Ronaldos, Joanas e Lauras.
Uma história como tantas outras.

A.K.
Às vezes somos obrigados a matar pessoas dentro da gente.
Dói tanto.
Sangra.
Somos obrigados.

A.K.

domingo, 16 de março de 2014

O que você tem contra ela?
Finalmente a pergunta derradeira fora pronunciada.
Essa interrogação responderia tanta coisa encoberta pelas entrelinhas.
O silencio imperou.
Respirei fundo.
-Contra ela?, perguntei com a voz trêmula.
- Nada, respondi. Minto, exceto o fato dela possuir nas mãos o que me é mais valioso.
Acho que agora o nada se torna muita coisa.
Entretanto, ninguém nunca a pronunciou.

A.K.

segunda-feira, 10 de março de 2014

Tem dias que a ausência é tão grande que se transfigura em uma forte presença ausente.
Será possível isso? Presença ausente?
Pois digo que sim.
Digo mais: é uma falta tão presente que sufoca o coração.
E tem sido assim.
Falta de pessoas, coisas, lugares.
Falta de mim, da minha pessoa.
Falta de quem eu poderia ser.

A.K.

domingo, 26 de janeiro de 2014

Todos os dias tenho a opção ou não de agradecer à vida.
Agradecer independente da situação enfrentada.
Minha vida mudou depois que comecei a praticar esse ritual de agradecimento.
Ao agradecer, engrandeço como pessoa.

A.K.
Cada pessoa carrega em si a responsabilidade por suas reações.
Digo: ações!
diante das situações mais adversas da vida.
Digo: de sua própria vida!

Rir.
Fazer samba.
Poesia.
Eternizar o que de bonito existe.

ou

Chorar.
Gritar.
Esbravejar.
Se afundar.

ou

ainda incontáveis opções de escolha.
Digo: escolha!

Vida bela.
Vida bela.
Vida bela.

Que a nossa loucura seja perdoada.
A minha.
A Sua.
A Nossa.

A.K.

segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

É louvável a oportunidade que a vida oferece a cada pessoa de recomeçar.
Recomeçar quantas vezes for necessário.
Recomeçar sempre.
Andar.
Erguer.
Seguir.
Se ontem havia somente trevas.
Hoje, os raios de sol cumpriram sua missão: iluminar.
Iluminar
Encaminhar.
Guiar.

A.K.

domingo, 3 de novembro de 2013

quarta-feira, 16 de outubro de 2013

Reconheço os limites da capacidade humana.
Reconheço os limites de minha pobre condição.
O que desconheço é até que ponto estamos dispostos a ir.
Pra ser precisa: até que ponto estou disposta a ir.
Sim, porque num jogo com dois pesos e duas medidas, não estamos tratando de brincadeira de criança.
A conversa é de gente grande e quando o assunto é desse cunho,a coisa realmente fica séria.
Porque quando o assunto é amor a resposta é uma só: um jogo que quando se entra, geralmente alguém tem que perder.
É por isso que na arte de amar só existe artista.
E dessa profissão, estou sob atestado e afastada. Mas o médico insiste em me liberar.
Digo: - Não, doutor. Tenha dó dessa pobre.

A.K.

sábado, 27 de julho de 2013

Maria era um tanto infeliz.
No entanto, não assumia.
Finalmente a verdade lhe vem de encontro.
Sua face recebe uma bela bofetada.
Serviu para acorda-la.
Maria continua infeliz.

sexta-feira, 5 de julho de 2013

domingo, 23 de junho de 2013

Sempre acham alguma coisa sobre algo ou alguém.
Você sempre tem algo a dizer sobre ela.
Tem tanta certeza.
Tanta convicção.
Sobre,
seus olhos.
cabelo.
estilo.
temperamento.
Sempre com sua opinião formada sobre tudo.
Sobre Tudo.
Tudo.
No entanto, quase sempre você está enganado.
O coração dela você não conhece.
Seus gostos,
pra você, apenas suposições.
E de suposições estamos fartos.
Supor.
Achar.
Aprenda: tudo sinônimo de engano.
Meu caro, as aparências enganam, sempre.
Sempre.


A.K.

sexta-feira, 21 de junho de 2013

segunda-feira, 17 de junho de 2013

Tempos difíceis.
(sem) para companhia de alguém.
Aliás, se em bons tempos já quase (não) recorro.
Em tempos como esses, parece-me improvável.
Aconteça.
Realmente.
Tempos difíceis.
Amigos.
Prosas,
entrega.
Tempos difíceis.
Expressar.
Verbalizar.
Choro,
Grito,
Conversa,
Escrita.
Difícil mensurar.
Precisão.
Confusão.

A.K.

segunda-feira, 27 de maio de 2013

quarta-feira, 15 de maio de 2013

Olho sua fotografia já desbotada pelo tempo.
Nela o seu sorriso sempre iluminado já vai se apagando.
O tempo sempre contra nós.
A gente ainda insiste em manter a memória ativada, mas tem sido tempos difíceis.
O seu fantasma me assombra.

A.K.




quarta-feira, 8 de maio de 2013

quinta-feira, 18 de abril de 2013

Ontem à noite quase não dormi.
Devaneei a noite toda.
Sufoquei-me em minhas emoções.
Estranho, mas a cama não me assentava.
Impressionante como minha dor se misturou a sua, tão facilmente.
Me pergunto quase que indignada, menina:
- É isso mesmo que você chama de amor?
Se sim meu bem, desse mal não quero padecer jamais.
O que você chama de amor, lhe roubou.
Sim, você foi roubada descaradamente.
O brilho dos seus olhos o amor roubou.
Agora só vejo suas lágrimas.
Sinto sua dor.
O sorriso em seus lábios desapareceu.
Meu bem, que amor é esse que lhe machuca e faz sangrar?
Estranha essa sua forma de amar.
Estranha essa sua forma de se machucar.
Estranha essa sua forma de querer se entregar.

A.K.
Transforme sua dor em poesia.

A.K.

quarta-feira, 17 de abril de 2013

Foi assim que os dois se perderam.
Se perderam?
- Sim, se perderam.
Mas como?
- Se perderam não pelo distanciamento físico, mas pelo distanciamento dos corações.

A.K.
Me perco no desencontro.
Busco e não me encontro.

A.K.
Disse ela:
- Jamais conseguirei ser como eles.
Em seguida o vento susurrou em seu ouvido:
- Eles também jamais serão como você.
Veja: não possuem a sensibilidade pra perceber o meu suave toque.
Portanto, tranquilize-se. O mistério está na singularidade de cada um.

A.K.

domingo, 7 de abril de 2013

E a alma tranquila se acomoda quando os que ficam assim o fazem por opção.
Não há aquele peso da cobrança nem da obrigação.
Fiquei ao seu lado porque assim quis. Afinal, me é permitido partir sempre.
Mas não, Não quis!
É essa a certeza que nos toma e acalma o nosso ser por inteiro.
Que fique um. Mas que seja por escolha própria.
De resto, partem os que quiserem partir.
Fiquem os que quiserem ficar.

A.K.

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

Pela janela vejo um lindo céu.
Realmente azul da cor do mar. Vivo.
Completamente vivo.
Aqui dentro tudo tão cinza.
Os prismas se invertem o tempo todo.
A vida tão mágica e tão assustadora.
Como pode os seus opostos serem tão fortes?
É tão passageira a nossa existência.
Tão imprevisível o nosso momento.
Como pode?
Nesse universo tão grande, somos tão pequenos.
Seres de natureza frágil.
Tenho medo da vida.
Tenho medo da morte.
Ambas me assustam com tamanha intensidade.
Quando penso nas pessoas que tenho, ainda vivas - penso no amor que não as dou, também por medo - penso que amanhã posso não mais tê-las. Penso que amanhã, elas podem não mais me ter.
A cabeça dói.
A garganta aperta.
As lágrimas querem descer.
Mas não, estão carregadas de medo. Por isso, se recusam a rolarem.
Coisa estranha essa tal de vida.

A.K.

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

Recorro as palavras.
Recorro na tentativa de dar vasão às minhas faltas.
Faltas tão arraigadas em meu ser.
Brinco com o jogo de palavras.
Brinco porque é no meio de seu emaranhado que busco reorientação.
Reoriento minhas confusões.
Alinho meus sentimentos.
Acalento minhas lágrimas.
As palavras não me obrigam coerência.
Coerência que me falta na mesma proporção que tanto me cobro.
Encontro expressão máxima de liberdade ao manuseá-las.
Liberdade essa que não se sujeita a regra gramatical.
Assim como também recusam a se sujeitarem aos filtros que a vida impõe.
Aqui há a expressão máxima da essência mascarada lá fora.
Não há nexo.
Não há coerência.
O sentido se perde.
Se se formulam dessa maneira, é justamente por conseguir expressar de modo tão fiel aquilo que me é mais íntimo.
As palavras dão expressão máxima aos anseios de minha alma.
Quando no jogo de palavras me perco, não me preocupo.
Não penso para lhe dar formas.
Sento,
sinto,
as palavras transbordam, naturalmente.
De repente,
Exprimem,
Expressam,
Falam.

A.K.

sábado, 29 de dezembro de 2012

Mocinha, sabe qual o seu único erro?
Gostar da pessoa errada.
Fatal, não!?
A.K.

quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

Ultimamente a única sensação -SUFOCANTE, por sinal- que tenho experenciado é que nem as manhãs de sol ou até mesmo os dias cinzentos tem representado minha real essência.
O fatal beco-sem-saída tem me feito companhia do amanhecer ao por do sol.
Simplesmente não me encaixo.
Não me encaixo.
Talvez até tente de maneira consciente me adaptar ao meio.
Mas minha alma grita e anseia por liberdade. Simplesmente recusa.
Uma liberdade reprimida por essa condição deprimente de submissão. Submissa aos outros, a sociedade, aos meu próprio pensar.
Nunca tive o controle da situação e hoje isso é claramente perceptível.
Um barco a deriva, sem alcance da terra-firme. Solto ao mar, entregue...
Nem as palavras tem tomado forma.
Eu estou indo embora.
Deprimente.
Decadente.
Triste condição humana.

sábado, 8 de dezembro de 2012

Entra ano. Sai ano.
A única diferença realmente perceptível são as famosas rugas de expressão.
A.K.
A vida por si só se encarrega de ser uma piada pronta.
A.K.
Não, definitivamente não sou um monte de coisa que as pessoas formulam sobre mim.
Culpa minha?
-Não. De fato, não.
A rotulagem fica a cargo deles.
E sobre os outros,
bom... não tenho controle -muito menos pretensão de o ter.
A.K.

sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

terça-feira, 27 de novembro de 2012

Dai-me paciência.
Dai-me paciência.
Dai-me paciência
(...)
Repetia-me um número incontável de vezes.
As vezes funcionava.
As palavras criam formas e formulam minhas ausências.
É na escrita que encontro a representação máxima daquilo que me é mais peculiar.
A.K.
Nem sempre fui assim.
Ainda assim não me lembro exatamente quando foi que embruteci.
A.K.

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

As palavras criam formas e formulam minhas ausências. Na escrita encontro a expressão máxima daquilo que me é peculiar.
A.K.
É um bom exercício psicológico.
Acordo e digo:
- Não embarca nessa furada.
E é assim que tenho feito todos os dias.
Tem dado bons resultados: tudo tem estado sob controle.
A.K.

terça-feira, 13 de novembro de 2012

Nem sempre fui assim.
Ainda assim não me lembro exatamente quando foi que meu coração embruteceu.
A.K.

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

As palavras,
sempre tão expressivas.
Há dias porém, como nós, resolvem silenciar.
Não tomam forma, nem sentido.
Simplesmente soltas ao vento.
A.K.
Silenciosamente deixei partir, quando na verdade a vontade era reter.
Era segurar com as próprias mãos.
Não permitir que me escapasse por entre os dedos.
E dizer em alto e bom tom:
- Não vá. Fique aqui.
Confesso, realmente desejei inúmeras vezes que ficasse.
Mas ao mesmo tempo sempre tive a clara certeza de que o que é feito de nó prende.
E assim, pude experienciar - algumas vezes como coadjuvante, outras como protagonista - a partida de algumas pessoas.
Que sim, eram importantes de alguma forma.
Mas exatamente por serem livres, partiram.

A.K.

sexta-feira, 12 de outubro de 2012

A mente formula um 'não' com convicção.
A boca diz um 'sim' quase mudo, timidamente sorrateiro.
Com o perdão da expressão:
Essa evidente contradição é uma merda.

A.K.
Bonito era o modo como ele a encarava.
Prestava atenção nos mínimos detalhes.
Isso fazia toda diferença.

A.K.
- Mesquinhas são as atitudes de Joana.
É o que todos dizem.
Mas como a nossa protagonista Joana, existem tantas outras Joanas por ai.
Joanas, Marias e tantas outras e outros.
Joana tem tido tentativas desesperadas e inúteis de alcançar a auto-suficiência.
Em seus planos não há espaço para terceiros, segundos ou quartos.
Idealiza e constrói em cima dessas idealizações.
Em vão, probrezinha.
Fracassadas são suas tentativas.
Mas Joana continua tentando e fracassando.
Tentando e novamente fracassando.
Racionalmente irracional - completamente redundante.
Mas a sociedade a desconcerta.
A sociedade mesquinha em que Joana vive a desconstrói. As pessoas ao mesmo tempo tão encantadoras e tão assustadoras.
Mas Joana não desiste.
Sua missão impossível ela persegue.
Mas sabe que sua tentativa é em vão.
Estranho, não?
Mas realmente não é pra ter sentido.

A.K.

quinta-feira, 20 de setembro de 2012

Minha casa encontra-se em perfeita desordem.
Eu que a habitei durante anos, não mais reconheço os cômodos e os móveis empoeirados pelo tempo.
Durante anos a única condição foi que tudo permacesse intocável.
Parece que agora a mobília resolveu rebelar-se.
Resolveram expulsar-me dos meus aposentos.
Oh! Estou sendo expulsa, sem nada entender.
A casa inteira está vindo abaixo.
Engraçado que outrora viera fortes tempestades e ali estava ela intocável.
Barulho algum conseguia romper sua estrutura forte, resistente.
Agora, com a aparente calmaria que pairava ao seu redor, resolveu rebelar-se.
Rompeu com as amarras.
Foi logo dizendo: - Vou abaixo.
De repente, as luzes se apagaram;
As portas fecharam-se;
Toda a estrutura estremeceu.
Seu último pronunciamento continha os seguintes dizeres:
- Estou indo abaixo. Me reconstrua.

A.K.

sexta-feira, 14 de setembro de 2012

Do amor nada sei.
Não experimentei.
Me desviei o quanto pude.
Mas ao ver aquele casal sentado no banco da praça; tão sublime, entregue, inteiro.
Oh! só pra constar, nada convencional para os padrões da sociedade.
Fugiam a toda e qualquer regra do politicamente aceito e correto.
Ao ver aquela cena, era como se o tivesse experimentado.
O amor ali reinava.
Era quase mágico aquele sorriso estampado em seus rostos.
Era quase como se eu tivesse tido uma demonstração clara e tangível a respeito de duas almas que se amam e se reconhecem.
O amor daqueles dois era bonito de se ver.
Oh seu moço, foi bonito de se ver.
Sublime.
Encantador.

A.K.

segunda-feira, 10 de setembro de 2012

Cuidado, doce donzela. Encarar a vida com tamanha seriedade pode lhe embrutecer o coração.
A.K.
Essa pseudo 'civilização' me deprime.
A.K.
O erro reside quando você delimita os parâmetros no qual seguir sua vida.
-Te respondo guria:
- Quando você faz isso, você exclui qualquer possibilidade de experiências não planejada.
A.K.
Era paz transmitida pelo olhar.
E mesmo no silêncio se sentia tamanha segurança.
Mas era feito de laço.
Nó prende.
E justamente por ser de laço, foi desfeito.
Nos perdemos.

A.K.

Toda despedida traz em si a dor da partida. A.K.
E o amor-próprio tirado do discurso e colocado em prática faz um bem danado.
A.K.
Recaída.
Rê - cair.
Cair.
Ir.

A.K.
Francamente, você descobre que ter boa intenção não resolve muita coisa.
Aliás, nem garante que as coisas darão certo.

A.K.
O cúmulo da covardia é o sujeito não ter coragem nem pra desistir. A.K.

segunda-feira, 9 de julho de 2012

Torna-me praticamente impossível recobrar-me exatamente quando foi que me perdi. Sim, quando foi que me perdi? Se naquela conversa com José; se sentada no bar com a Maria ou se até mesmo nunca me pertenci e as escuras imaginava que detinha o controle da situação. A luz acendeu e as claras o espelho não refletia minha imagem. Eu que antes gostava de preto, descubro no cinza - aquela cor sem brilho, sem tom, sem vivacidade - tanta riqueza. Ninguém vai provar sua dor, sentir sua felicidade. Somos bravos viajantes solitários com a terrível missão de aventurar em nossos labirintos. Lá fora está um lindo dia; dentro da minha casa uma completa desordem. A janela permace fechada. Mantenho minha aparente segurança.

A.K.
Metade de mim é tédio. A outra também.

A.K.
Mais do que o peso da idade, o que realmente nos pesa é uma vida mal vivida. Ao acordar e olhar no espelho não me reconheci. Os anos se passaram e com eles os sonhos de criança. Onde estão os sonhos que a gente sonhava? Estão sufocados e esquecidos na memória do se tornar adulto. Quando a gente é criança não temos medo de nos mostrar; acreditamos em sonhos e em fantasias; acreditamos em bicho papão. Se a gente tá triste a gente demosntra; se tá feliz também demonstramos. Felizes são as crianças que são puras em seus sentimentos. Parece irracional essa manhia que o adulto tem de sufocar tudo quando cresce. Ah é verdade, me esqueci que o adulto tem de ser racional demais, exato demais e não saber viver. Quando a gente cresce nós nos escondemos dos outros e de nós mesmos. Deixamos de sonhar pois "a vida passa num instante e um instante é muito pouco pra sonhar"; somos práticos demais. Bicho papão deixa de existir; mas esquecemos que o maior bicho papão existente é o medo que habita em nosso interior. Tristezas não nos abalam, afinal, somos super-heróis invensíveis. Hoje ao acordar olhei no espelho e não me vi. Logo perguntei: quem sou eu?

A.K.
Quanto medo habita no coração do homem.

A.K.
O homem nasce naturalmente feliz. A sociedade o deprime.

A.K.

sábado, 17 de março de 2012

"Se tem uma coisa que a gente precisa na vida é a tal da convicção."
A.K.


"Essa pseudo 'civilização' me deprime."
A.K.

domingo, 26 de fevereiro de 2012

Que sejam sólidas as bases na qual construímos nossas vidas.
Para que fiquemos de pé em meio a brisa e suportemos os vendavais.
A.K.


Cuidado, doce donzela.
Encarar a vida com tamanha seriedade pode lhe embrutecer o coração.
A.K.
A gente tem medo de tanta coisa.
O medo é uma coisa boba. Uma bobagem tão séria que possui plena capacidade para nos aprisionar; de nos reter.
Pobre guria, tem medo do escuro.
E no escuro encontra sua alma.
Pobre guria, o medo não a deixa voar.
O medo a impede de viver.
A.K.

sábado, 28 de janeiro de 2012

Quando mais se caminha, mais se tem a certeza de que o percurso é longo.
A.K.

Acredite: Ninguém nunca será bom o suficiente.
A.K.

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

E ter boa intenção não garante em absolutamente nada que tudo dará certo.
Nunca se sabe ao certo.
Nunca se pode prever.
Pode ser que sim. Pode ser que não.
Acontece que entre esse 'sim' e 'não', muitos ficam pelo caminho.
A.K.
De um jeito sempre meio torto, mas a gente sempre sabe, a gente sempre começa a sentir, de um modo ou de outro, quando é hora de dizer adeus.
A.K.

domingo, 15 de janeiro de 2012

Talvez a forma mais pura de amor seja a manifestada pelas crianças. Afinal, elas ainda não tiveram tempo de serem influenciadas pelas inúmeras teorias que se dispõe a explicar sobre o amor, porém em essencia, não representam coisa alguma.
A.K.

terça-feira, 3 de janeiro de 2012

Sou o que sou pq assim o sou? Ou, sou o que sou pq você assim quer?
Sou o que sou por medo? Ou, sou o que sou por medo de contrariar as regras?
Sou o que sou pq assim serei como todos o são? Ou, sou o que sou pq não ser como todos é sinônimo de ser diferente?
Sou o que sou por assim querer? Ou, sou o que sou por fatores deternminados?
Sou o que sou? Sou o que queres? Sou o que quero?
Afinal, sou o que? Somos o que?
A.K.

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

Não estamos preparados pra tudo na vida.
Aliás, não estamos preparados pra quase nada.
A.K.

domingo, 11 de dezembro de 2011

Tracei a ponte entre a razão e a loucura.
A.K.


Guria, lhe soa como cruel demais o fato da sua dor paralisar somente a ti.
Pois o mundo ao seu redor não compadeceu de seu sofrimento.
A.K.

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

sábado, 26 de novembro de 2011

Se tratando de amor, o fator determinante passa a ser a 'sorte'.
A.K.
E aos poucos fomos nos afastando.
As coisas foram acontecendo de forma tão natural, que acredito que passara de forma quase que imperceptível aos nossos olhos.
Também pudera, a vida anda tão corrida.
Talvez esse tenha sido o motivo principal.
Mas não procuremos culpados.
Quando dei por mim, as coisas já não eram mais as mesmas.
Nós não éramos mais os mesmos.
Ambos haviam mudado; nisso ambos concordavam.
Você sempre tão sonhador(a).
Sonhos tão grandes, capazes de fazê-lo(a) voar.
Possui um desejo enorme de abraçar o mundo, ao mesmo tempo torna-se incapaz de abraçar a si mesmo(a).
Eu, sempre realista.
A precisão com que enxergo a realidade corta em mim as mesmas asas que lhe impulsionam grande vôo.
Dois caminhos. Duas direções.
A.K.

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Tem pessoas que querem abraçar o mundo.
No entanto, sequer conseguem abraçar a si próprio.
A.K.
Às vezes, cometemos atos impensados.
Medidas extremadas.
Simples sinais de nosso desespero.

sexta-feira, 11 de novembro de 2011

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Eu posso ser meu mais fiel aliado ou o mais temível dos inimigos.
A.K.



A gente tem mania de persistir naquilo que nos machuca.
A.K.

terça-feira, 1 de novembro de 2011

A gente corre o sério risco de ficar teorizando sobre a vida.
Re(criar), Re(inventar)
Forma, Fórmulas.
E sequer levantar-se da cadeira.
A.K.
Há o desejo de viver.
Há o medo de sofrer.
A gente não vive.
A vida passa.
Nos sobra apenas o desejo que o medo sufocou.
A.K.

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Caminhei mesmo sem entender e compreender coisa alguma.
Continuo no mesmo estágio.
Ontem: pensava que se tratava de loucura.
Hoje: percebo que essa loucura se transfigura na fé.
Amanhã: quando chegar tomará a devida forma que lhe compete.
A.K.

domingo, 23 de outubro de 2011

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Devemos ter o real cuidado pra que nossos discursos não contrariem nossa prática.
A.K.


De um jeito ou de outro, mas a gente aprende a se armar e se defender.
A.K.
Há pessoas.
Há PESSOAS.
(.) ponto!
A.K.

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

E temos anseios tão grandes, que fogem da nossa compreensão, visto que nossa condição de humanos, nos torna seres limitados.
A.K.

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Embora eu não saiba compreender o que quero, uma coisa é certa: em mim aumenta cada vez mais o anseio por aquilo que é totalmente livre e desprovido de vazio de sentido. Como toda busca, é fundamental que seja empreendida, mesmo não se sabendo ao certo onde terminará essa jornada. Mas acredito que é assim que se formam as certezas, antes é necessário que estas ultrapassem o estágio da incerteza.
A.K.

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Sob hipótese alguma me sinto em estado de obrigar-me a estar com alguém, seja por compaixão ou outro motivo qualquer.
Se tem algo que prezo, é sentimento.
E é justamente esse que me inclina e me impulsiona à alguém.
A.K.
A gente só tem medo daquilo em que acredita.
A.K.

terça-feira, 11 de outubro de 2011

Quando pensamos em mudança -mudança no sentido de postura-, temos a falsa ilusão de que as coisas acontecem de forma instantânea, ou seja, hoje ao deitar pra dormir tenho uma postura e amanhã, como passe de mágica, acordarei completamente transformada. Nos esquecemos que todo processo de mudança requer tempo e paciência. Tempo e paciência para consigo mesmo.
Tudo se baseia na ausência de cobranças. Aceite você assim exatamente como és, pois és único e sendo único se torna um ser singular.
Um dia quando do nada, olhardes para trás e perceberes que as coisas aconteceram de uma forma tão natural, que para você passou quase que imperceptível, aceite-se.
Todo processo de mudança requer aceitação.
A.K.

quinta-feira, 6 de outubro de 2011

E a admiração consistia simplesmente por percebê-lo diferente em meio de tantas igualdades.
E era isso o bonito de se ver e mais ainda, gostoso de sentir.
Era algo sem cobrança e não requeria mais nada.
A admiração bastava por si só.
A.K.

domingo, 25 de setembro de 2011

A aversão ao amor, sentimento tão nobre, talvez se trate unicamente ao medo de se entregar e assumir-se: sim, eu não sou auto-suficiente.
A.K.

domingo, 18 de setembro de 2011

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Que o seu afastamento não me deixe com espaço suficiente pra que eu me perca de você. Assim sendo, não terei nem motivo, nem vontade para perfazer o caminho de volta.
A.K.
Bancar o forte pra que?
Se no fundo, somos todos crianças querendo colo.
A.K.

quinta-feira, 15 de setembro de 2011

A minha vida inteira as coisas sempre aconteceram numa mesma constância. Eu sempre tive que ter em mente que tudo seria desfeito em um curto espaço de tempo. Em regra geral, era assim que as coisas aconteciam: os amores nunca se eternizavam; os laços de amizade se dissipavam no espaço do tempo.
A.K.
Certa vez, no meu caminhar, nas desventuras da vida, conheci a verdadeira essencia do ser um homem de verdade. Ironico ou não, ele era gay.
A.K.
Doeu, quando forçadamente fui obrigada a me afastar de você; mas sobrevivi.
A.K.

terça-feira, 13 de setembro de 2011

sábado, 10 de setembro de 2011

terça-feira, 6 de setembro de 2011

És bela e doce.
És flor que alegra o meu jardim.
A.K.
Durante o dia eu me esqueço de mim, me esqueço de você.
À noite, tua dor tornas minha dor.
Nessa história, eu e você, somos sujeito passivo.
A.K.

terça-feira, 30 de agosto de 2011

segunda-feira, 29 de agosto de 2011

Fiz tudo certo o tempo todo. Errei quando coloquei sentimento.
A.K.


Pensei em Você. Idealizei Nós.
A.K.

sexta-feira, 26 de agosto de 2011

E o que fica é essa sensação de coisa mal acabada; de que poderia ter feito mais e no entanto, não o fiz.
A.K.

segunda-feira, 15 de agosto de 2011

E eu que sempre me julguei infeliz e achando que todos os dias são dias desleais. Hoje te escutando, lhe olhando mas incapaz de lhe olhar nos olhos. Talvez pq seu sofrimento é tão real e pra você sim, a vida se faz fria e cruel despida. Todos os dias são realmente desleais. Mas me pergunto, como pode alguém ser tão dependente do outro. Como pode alguém ficar sem opção, sem alternativas que a levem a um porto seguro.
Realmente, a vida é coisa séria. Muito embora, tudo as vezes pareça injusto e cruel, uma escolha errada, uma única escolha mal pensada ressoa por toda 'eternidade'. É muita responsabilidade você ser autor de sua própria vida. É angustiante você ter consciência que tudo depende exclusivamente de suas opções e isso lhe direciona o rumo que a sua vida toma. Ao que me consta parece muito injusto e sofredor você ter uma única chance pra acertar e um tempo muito curto pra se manter firme no acerto. Ao que parace é que na vida não se admite erros. Você é obrigado a escolher e ao mesmo tempo se faz obrigado a acertar...
A gente tem que entender que na "vida enquanto uns nascem pra sofrer, outros riem."
Como sendo eu, autor próprio dos caminho que seguirei, sinto tanto em não poder fazer nada por você, pois você também se torna autor de seus próprios caminhos trilhados.
Garota, embora, a muito tempo eu tenha desaprendido o que é sentir, seu sofrimento me incomoda. Seu sofrimento me angustia.
Você está tão próxima e ao mesmo tempo se faz tão distante, pois é impossível que eu a alcance.
A.K.

quinta-feira, 11 de agosto de 2011

Não é pouca coisa que me satisfaz.
A.K.


Às vezes nos perguntamos se é exatamente isso que a vida tem a nos oferecer...
Nos sonhos de infância não era assim que eu idealizava que as coisas aconteceriam.
A.K.

quinta-feira, 7 de julho de 2011

E chega um momento que realmente você começa a necessitar de novas drogas.

A.K.

segunda-feira, 27 de junho de 2011

" Em seu interior havia tanto barulho e tanta desordem que as notas não mais se reconheciam."

A.K.
"Acho que tenho a errônea sensação de que mãe não cansa justamente por ser adepta da ideia de que elas deveriam por lei, ser eternas."



" Às vezes com mais, as vezes com menos frequência, mas a gente não deixa de pensar que não vai conseguir."



" As vezes eu me pergunto se as fantasias e os sonhos de crianças sempre tem de morrer com a realidade de se tornar adulto!?"

A.K.

terça-feira, 17 de maio de 2011

Por vezes me paro a pensar no passado; um passado nem tão distante assim, mas ao mesmo tempo parece que já se passaram tanto tempo, tantos anos.
Talvez essa sensação se resume a saudade.
É isso que sinto quando penso em você.
Saudade de um tempo que passou; saudade de um tempo que não mais voltará.
Mas também lembro que essa saudade se explica ao amor que tenho por você. Vai ver é por isso que dói tanto.
A.K.



E por trás de um sorriso, há tantos segredos escondidos.
A.K.

segunda-feira, 9 de maio de 2011

Escrevo pq me faz bem. Há plena liberdade com as palavras.
Se os escritos representam o que há em mim, então eles representam o que é estranho ao meu ser e supostamente desconhecido desta, que vos escreve.
A.K.

sábado, 7 de maio de 2011

"Eu me filtro demais, assim sendo, não sou eu. Apenas represento um personagem socialmente aceito."



"Há algo errado no contexto de minha existência: os meus são para mim, meros desconhecidos."


"Sou um mero viajante que vaga perdido, pelos caminhos incertos que eu mesmo trilhei.
Sou um viajante errante que segue seu caminho; embora, este, seja sempre desconhecido.
Sou errante e vou errando."
A.K.

quinta-feira, 5 de maio de 2011

Talvez seja necessário se perder como eu me perdi.
Isso não pressupõe que eu já tenha me encontrado.
Se é que algum dia eu tive o controle sobre algo; sobre mim. Certamente, não. Não tive. Meu receio é que nunca o tenha.
Se por instantes cheguei a pensar que mantinha o controle sobre algo, no momento seguinte o perdi. A brisa leve ia me tocando e por terra, fora caindo tudo que julguei dominar ou ao menos, conhecer.
Hoje não sei o que me satisfaz. Embora, tanto faz não satisfaça o que eu preciso. Eu sequer sei o que preciso.
Desse modo, ‘sai na vida a busca de aventuras’ e tudo se construiu de modo tão superficial. Hoje, o superficial me incomoda. Não que antes não incomodasse, mas acontece que, se tratava de uma busca incessante pela tal felicidade; não importava qual caminho seguir, se tratava de uma busca desesperada e que esperar supostamente teria me custado um preço mais alto. Se a felicidade é algo a ser alcançado, confesso que, não sei o caminho a percorrer. Mas sentimentos não podem ser palpáveis. Talvez, seria uma busca pelo desconhecido. Talvez, no fundo, se trata de uma busca por mim. Me encontrar e me encontrando eu encontro o caminho.
A.K.

domingo, 1 de maio de 2011

" Afinal, o que é essa tal felicidade?
Como palavras seriam capazes de descrever o desconhecido?, e mesmo se conhecida fosse, como descrever-te?
Quem te definiu e a nomeou?
O que é você? És sentimento e pois então, se torna passageira? Ou és concretude e só poucos a alcança?
Aliás, és real?, muitos acreditam que és fantasia.
...Afinal, quem és você? O que é você?"
A.K.

sábado, 30 de abril de 2011

" Literalmente: a vida é feita de escolhas; são essas mesmas escolhas que lhe direcionarão o caminho a seguir e principalmente onde você irá chegar. Por mais que se pretenda viver segundo 'deixa a vida me levar', a vida vai passar e você não chegará a lugar algum. Isso é apenas um modo para evitar o 'ter que fazer escolhas'. Por mais q se adie, sempre chega um momento em que você tem que optar e escolher. Embora o meio-termo seja sempre preferível, não se consegue seguir ao mesmo tempo por dois ou três caminhos. Nessa hora a famosa frase se encaixa perfeitamente: 'E agora, José?'"
A.K.
Engraçado como passamos a vida correndo. Preocupações demais. Mágoas demais. Receio demais. Tudo em grande intensidade. De modo oposto, amamos menos. Escutamos menos. Nós nos doamos menos.
Geralmente estamos muito preocupados com apenas o ‘eu’. Tem que ser assim, porque ‘eu’ quero. Primeiro ‘eu’.
O que não nos preocupamos, ou melhor, nos esquecemos é que tudo finda. Com a vida não é diferente. Ninguém sabe quando. O dia. A hora. Como. Por que. Mas esse dia chega. E assim passamos a vida inteira na correria, gastando nosso tempo como se ele fosse eterno.
O ser humano é mesmo contraditório e auto-destrutivo por natureza.
A.K.
"Necessito de urgências."


‎"Insisto em insistir no que não me satisfaz."


" Oscilando constantemente de um extremo ao outro."

"Eu lhe faço um poema.
Só não lhe prometo amor eterno."

"O ser humano é mesmo contraditório e auto-destrutivo por natureza."


" A sensatez e ausência da mesma, se misturam, ambas, numa mesma profusão de intensidade."

" O convencional é tão banal."

A.K.
Ando meio com os sentimentos aflorados.
Eu que nunca fui de me apegar à sensações.
Ando oscilando com tanta frequência.
Se algum dia tive controle sobre mim, o perdi de vez."
A.K.
A mente anda fraca.
O corpo padece.
Ando vulnerável a doenças; à incertezas.
Ando vulnerável até mesmo ao amor.
A.K
A minha sanidade se faz completamente presente nos momentos que os 'normais' costumam conceituar como insanos.
E daí, são eles que são os normais.
A.K.
Triste não é quem não se permite chorar;
Triste é quem se permite e não consegue.
A.K.
Nem a certeza de que vivo, tenho.
Pq muito embora os olhos estejam abertos e a respiração nos conformes.
Viver não se resume a isso.
A.K.
É como uma sensação que não me pertence.
É como uma mistura de várias sensações que trazem vários sentimentos que não se denominam.
Meu bem meu mal.
É isso que você me desperta.
Tentar classificar seria perda de tempo. Sou incapaz disso.
A.K.

sexta-feira, 1 de abril de 2011

" Há um bocado de mim em cada pessoa que encontrei; em cada lugar que supostamente percorri. Esses 'eus' fragmentados lutam e relutam para se encontrarem e firmarem num mesmo 'eu', visto que, se torna impossível, pois são muitos 'eus' contraditórios buscando um mesmo espaço físicamente limitado. Por isso transbordo sempre em excessos."
(A.K)

segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Uma vida construída em incertezas.
Hoje mais do que nunca, não sei se um vazio, não sei se sensação de culpa ou simplesmente o receio de não ser o que eu realmente não sou. Mas hoje, em especial, o dia está mais nublado e isso não ocorre simplesmente pela chuva e o frio lá fora.
Em mim, está tudo nublado. Há uma sensação tão grande de estagnação e confesso, uma forte sensação, que talvez seja mais real do que uma simples sensação.
Olho ao meu lado e não vejo saídas.
Olho ao meu lado e vejo sempre a mesma coisa.
Olho pra mim e percebo o quanto posso decepcionar os que estão próximos, os que quero tão bem. Pior, o quanto, talvez, eu possa decepcionar comigo mesma.
Nunca busquei a perfeição.
Nunca quis passar algo que eu não fosse, embora, talvez, por silenciar, eu tenha passado essa ideia distorcida, do meu verdadeiro eu. Talvez medo, talvez o indesejo, de não querer falar tanto.
O pior de tudo, é não saber o que fazer, que caminho seguir. O pior de tudo, é essa necessidade em mim, para que existisse o meio termo. Pior ainda, é ser fraca o suficiente para tomar decisões; é ter tanto receio de magoar os que estão próximos e talvez até a mim. Mas, há muito, já não me importo com o que eu mesma pense sobre mim. Desistir por um tempo, de tanta incompreensão.
Realmente, felizes daqueles que pulam no abismo, que se mostram com coragem o suficiente para encarar o que há bem ao fundo.
A vida, há muito, talvez desde que eu nasci, se faz como uma brincadeira de mal gosto, em que se faz necessário em que sobrevivamos constantemente.
E a vida? E a vida, o que é?
A.K.

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Sempre escolhas

Hoje, mais do que nunca, consigo perceber que a vida pode ser levada de dois modos.
Você pode escolher se lamentar o tempo todo e fazer com que o seu fardo se torne mais pesado do que deveria realmente ser; ou você pode resolver abrir-se para a vida e que apesar dela não ser flores o tempo todo, você está vivo e tem um motivo pra comemorar a cada noite que dorme e a cada manhã que se levanta.
É nessário que criemos bases realmente sólidas e verdadeiras para que possamos seguir em frente.
Muitas pessoas passam a vida toda apegadas em suas 'verdades' e em suas bases que julgam ser sólidas, pórem, um simples vento e uma brisa da manhã é capaz de jogar por terra todo esse construto imaginário de uma vida toda. Quando isso acontece, se você não aceita que todos os seus 'construtos' devam ser substituídos, a queda é imensamente dolorosa.
Por sermos imensamente fracos, procuramos nos agarrar em qualquer possível fonte que pareça segura. Quando isso acontece, você se torna vulnerável e alvo frágil que pode ser manipulado por qualquer pessoa.
Acho que tudo que passamos na vida é de algum modo um ensinamento.
Por mais que na maioria das vezes os nossos olhos estejam fechados e não enxerguem que cada lição é aprendizagem, a partir do momento em que adquirimos essa sensibilidade...
Aí, a vida passa a ter outro sentido.
A.K.

terça-feira, 4 de janeiro de 2011

As pessoas se acostumam tanto com a vida e o modo como a levam. Isso chama-se comodismo. Talvez ocasionado, justamente pelo medo ou receio de mudanças.
Assim, vamos levando a vida, deixando com que a maré nos leve a um porto seguro.
hoje percebo, que poderíamos passar a vida inteira, completamente vazia e esse vazio me consumia e de certo modo me deixava segura, visto que, estava eu sob controle do que me acontecia; porém, me esquecia que já havia perdido o controle a muito tempo. Comodismo, não é segurança. Isso chama-se covardia.
Medo ou receio de sair dessa bolha que muitas vezes julgamos seguro? Não sei se é exatamente isso. Na verdade não sei de nada, quando muitas vezes julguei saber alguma coisa e entender/compreender sempre o que fugia do meu alcance.
Implicitamente pretensiosa.
Confesso, não sei ao certo o que me fez enxergar tudo isso que sempre esteve estampado em minha frente, porém, eu fazia questão de não enxergar, ou melhor, fingir não enxergar.
Em especial, hoje, estou decididamente pronta a deixar todos os disfarces caírem.
Resolvi me permitir a ser um pouco mais leve e dá o devido peso ao fardo que eu/todos nós carregamos. Nada mais nada menos, o peso devido.
Devemos estarmos aptos a mudanças e mudarmos por nós, não para agradarmos alguém.
Mas devemos nos permitir sempre.
Como todo ser humano, sou um bocado contraditória e mais ainda indecisa. Mas a partir do momento que eu me permito, as coisas podem acontecer.
Acho que o certo é isso mesmo, nos permitirmos sempre!
A.K.

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

Hoje em dia, procuro não esperar muito das pessoas.
Por esperar demais e receber de menos, decepcionava-me uma vez mais.
Não os culpo, pois eu também nunca fui capaz de me doar em demasiado por alguém. É característico do gênero humano esse feito.
Portanto, mais uma decepção em meu/nosso fardo, não o tornará mais pesado. Ao contrário, não lhe acrescentará em nada, seu peso.
Me preocupei demais em entender o incompreensível.
Me questionei inúmeras vezes.
São tantos porques sem resposta; tantas dúvidas e inquietações acabavam por me destruir aos poucos.
Sabias palavras de um amigo que me disse: "Isso aqui onde vivemos é escroto."
Sábias palavras, meu caro.
Sábias palavras.
Como estamos cercados de todo tipo de bárbarie. E todas estas 'coisas', ocasionadas por quem? Por nós. Simplesmente por nós. Portanto, nós somos os únicos culpados.
Eu vejo tanta relação de interesse; tanto jogo de interesse; tanta conveniência; tanto cinismo; tanta hipocrisia. Poderia estar aqui fazendo uma lista de inúmeras 'qualidades' do gênero humano. O triste, ou melhor, o real, é que eu não sou carta fora dessa jogada. Sou tão humana e tão cheia de defeitos. Longe de querer procurar a perfeição, pois, ninguém é perfeito.
Sinto falta de um lugar melhor, de um algo melhor.
Sinto falta de algo que desconheço.
Sinto falta de algo que talvez nunca venha a conhecer, talvez, nem em sonhos, visto que, meus sonhos ultimamente tem sido grandes pesadelos. Talvez, reflexo da realidade que vivo!
A.K.

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Alguém

A gente não espera muita coisa.
Realmente o que esperamos é que encontremos alguém em quem confiar;
alguém que possamos confiar os mais íntimos segredos que escondemos de nós mesmos.
Sonhamos encontrar alguém que não precise dizer nada, o seu terno abraço é capaz de nos confortar de tal modo.
Alguém que com um sorriso verdadeiro nos mostre que ainda existe pessoas sinceras nesse mundo tão maluco.
Alguém que reconheça nosso pedido de socorro e que com apenas um olhar, saiba nos dar abrigo.
Alguém que nos mostre que somos capazes.
Alguém que nos faça caminhar em solo firme.
Precisamos de alguém...
alguém em quem confiar...
esse alguém alguns chamam de amigos...
outros chamam de irmãos!
A.K

domingo, 5 de dezembro de 2010

Tamanha sinceridade as vezes incomoda

Certas relações me sufocam...
certas pessoas me sufocam mais que a própria relação.
Cansei de fingir que está tudo bem e andar sempre com o sorriso no rosto!
O mundo exige de nós sinceridade e quando resolvemos fazer o que o mundo nos pede, não somos compreendidos.
Cansei de buscar compreensão nos outros, nas pessoas e em qualquer fonte que julguei segura e que poderia oferecer o abrigo que tanto tenho buscado.
Cheguei a um ponto que não suporto tanto hipocrisia em minha volta, tanto jogo de interesse.
Cheguei a um ponto que nem eu me suporto.
As bases sólidas que buscamos a vida toda se disfizeram com um simples sopro. Um simples sopro com um pouco mais de intensidade. Então descobrimos, que as bases não eram sólidas.
Sorri é muito fácil quando na verdade somente o seu travesseiro é fonte que abriga as suas lágrimas.
Sorri pra um mundo que não quer saber de seus problemas e nem você suporta saber os problemas do mundo é muito fácil.
Nós nos moldamos pra estarmos sempre felizes. Quando a máscara de felicidade é preciso ser trocada por outra, você precisa nem que seja por um segundo, mostrar o seu verdadeiro eu; é nesse momento que não te compreendem, visto que você está coberta de tamanho rastro de imcompreensão. É nessa hora que não aceitam quem você é de verdade.
Chega de contos de fadas...
o mundo não é cor de rosa.
A.K

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

Tem dias que a noite é vazia. Vazia e longa.
É tão vazia, assim como a vida, ambas em completa sintonia.
Ambas em uma simetria perfeita.
Tem noites que fantasmas nos assombram,nossos fantasmas, que nos cercam e só nós estamos cientes de tamanho assombro.
Têm noites que nem nossos sonhos nos deixam em paz e se transformam em verdadeiros pesadelos, que criam vida e nos amendrontam e nos deixam como crianças indefesas.
Eis me aqui, indefesa e presa numa vida sem sentido e sem saída.
Eis me aqui, numa noite, fria, sombria, e pertubadora!
Eis me aqui, querendo um porto pra ancorar.

A.K

sábado, 27 de novembro de 2010

"Enquanto isso a vida vai passando"
Tem dias que nossas angústias se tornam mais agudas e avassaladoras.
Já me perguntei milhares de vezes: qual o sentido disso tudo? Milhares de vezes não encontrei respostas e o vazio se largueia cada vez mais depressa.
O que me preocupa é não encontrar um milésimo de sentido em tudo que vejo e tudo que me cerca.
O que me preocupa mais ainda é passar por aqui e continuar sem entender.
O que me pertuba é não pisar sobre terra sólida.
Tem dias que até respirar se torna pesado;
tem dias que deveríamos ter o privilégio de um sono profundo, sem ruídos, sem incomodos, sem tempo cronológico pra acordar.
E mais ainda, tem dias que uma pseudo felicidade bate à nossa janela, pois ela entra pelas frestas e sai pela porta, pois não dura, visto que, não é real.
Tem dias...
tem dias que é melhor nem existir!
A.K

sábado, 6 de novembro de 2010

Como a vida é um mistério imensurável.
Há quem encontre alegria em viver,
há quem espera pela hora de morrer.
Mas na verdade o que todos querer é ser felizes e necessitam de algo que nos preencha. Por mais que não reconheçamos isso, bem no nosso íntimo, todos buscam a tal felicidade.
Embora seja os momentos tristes que nos fazem crescer como pessoas, são os felizes que buscamos!
Há os que buscam se preencher com algo que os complete profundamente,
há os que se preenchem por felicidades momentânea; e
há ainda os que buscam os dois e nada encontra em ambos.
E nessa eterna busca de se preencher, de se sentir amado(a), de se sentir feliz e mais ainda, completa(o) é que nos perdemos; pois acontece uma mistura tão grande de sentimentos e de confusões que por fim nem sabemos mais quem somos e principalmente o que sentimos, pois tudo já se tornou uma mistura amarga de emoções que se afloram de maneira abrupta.
" Só não se mente dor"
A.K

domingo, 3 de outubro de 2010

"Escrever é uma maneira de descarregar do que o coração se encontra cheio."

A.K

sábado, 2 de outubro de 2010

Rotina rotineira

Os dias para mim têm se tornado tão vazios.
Uma pseudo felicidade às vezes me cerca.
Por vezes, tenho a impresão de que algo tem me completado, mas logo esse paradigma cai em desuso.
É tudo a mesmice e os dias são tão iguais.
De tão pesados que tem sido os meus dias, estes, tem se arrastado e parece que a noite nunca chega. A noite vem e com ela a esperança de que o sono carregue para longe todas as minhas amarguras e sofrimentos.
Mais uma falsa esperança que se esvai ao amanhecer.
E novamente tudo volta a mesma rotina rotineira...
A.K

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Não há de ser nada

Não há de ser nada...
Quando eu olhar a minha frente e não enxergar o horizonte, enxergar apenas a escuridão que se arrasta de maneira infinita, não há de ser nada. Quando isso acontecer é para me mostrar que a vida por vezes nos castiga e nos desnorteia.
Que a vida não é só ilusão e nem apenas "flores".
Quando ao olhar em minha volta e defrontar apenas com abismos, é pra me mostrar que a vida também é feita de quedas e que por vezes estamos presos em nossos abismos interiores.
Quando a noite chegar e ela me mostrar que o dia apesar de ter passado tão apressadamente, ao mesmo tempo, se fez tão igual e se arrastou vagarosamente. Que minhas aflições se martelam de segundo em segundo.
Quando meus medos vierem a tona, é pra me mostrar que não estamos seguros o tempo todo. Que não existe nenhuma fortaleza ipenetrável e que nossos medos nos paralisam e nem uma palavra de alegria irá nos aliviar.
Quando a vida me fizer sentir sozinha, é pra me mostrar que apesar de estar rodeada de pessoas, eu me encontro sim, sozinha.
Quando as lágrimas quiserem cair, mesmo me esforçando tremendamente para contê-las, já não encontro mais forças para tal feito.
Quando a vida te revelar isso...
... não há de ser nada!!!

A.K

terça-feira, 31 de agosto de 2010

"Confissões de um Adolescente em crise" (rs)

Eu já tive um vazio em mim que carecia ser preenchido o mais rápido possível, eu não entendia o pq desse vazio e dessa vida vazia e sem sentido.
O pior é que eu não admitia nem a mim mesma que eu me fazia incompleta, o que dirá aos outros então. Mas o engraçado é que eu achava que alguém poderia me ajudar e me compreender. Mas não podem!!!
Esse "buraco" que carece ser preenchido, eu mesma estou incubida de assim fazer.
Comecei a buscar algo que pudesse preencher o desconhecido que habita em meu interior.
Fiz a minha vida "uma eterna busca de aventuras" da qual eu julguei que seria preenchida.
Trilhei outros caminhos também, diferentes dos que eu tenho costume de viver. Me senti muito bem nesse "novo mundo", mas mesmo assim, eu não me permiti ser preenchida.
Medo? Insegurança? Desconfiança? Receio? Confesso que não sei.
Costumo ouvir e dizer que sou dos extremos. Eu vou de um ponto a outro num simples passo e num simples piscar.
Por julgar ser incompreendida me revolto e são revoltas infundadas. Por querer ser compreendida e não o ser, faço o oposto do que deveria ser feito. Mas me esqueço que a compreensão que procuro nas pessoas, estas, não estão nem aí.
Hoje me encontro num estado completo de indiferença em relação ao que eu sinto. A vida me fez assim. O vazio que eu tanto busquei ser preenchido, confesso, não sei se foi. Mas que não sinto mais nada.
Por vezes, certas reações minhas e tão humanas me preocupam...
A.K
( texto fictício)

domingo, 22 de agosto de 2010

As circunstâncias

Será que podemos ter o direito de estar imune a certos sentimentos?
Eu constatei em provas concretas o quanto a vida exige da gente, o quanto ela nos tira e não tem sequer a destreza de nos devolver.
As circunstâncias vão nos moldando de modo tão claro.
E eu ainda me dou no direito de perguntar, onde está aquele coração que batia aqui dentro?
E ainda me dou no direito de responder com indagações. Onde está?
Mas sei que aqui dentro bate um coração.
O engraçado é que, você olha pras pessoas, e sequer consegue imaginar o que se passa em sua mente e em seu interior.
O que vemos nas pessoas são a superficialidade de um sorriso, que por sinal, muitas vezes são forçados. A nossa volta sempre vemos sorrisos estampados e pessoas tranbordando uma felicidade irradiante que chega a dar inveja. Eu te pergunto, é verdadeiro? Ou você está escondendo o que você realmente sente!?
Mas o que não entendo, é que eu quero mais. Muito mais. Quando me refiro ao mais, passa longe de se restringir a bens materiais.
O que desejo não tem nome.
Eu sequer sei onde encontrar e como encontrar.
Sei que sozinha não consigo. Sei que não tem ninguém ao meu lado pra me ajudar.
As circunstâncias me fizeram assim.
A.K

domingo, 15 de agosto de 2010

Sem Título

Às vezes, nós desejamos tão pouco das pessoas. Essas mesmas pessoas, muitas vezes não são capazes de nos dar o que desejamos.
Eu me questiono o pq de não recebermos o que desejamos e principalmente necessitamos: .será que os seus sentimentos são diferentes e não possuem a mesma intensidade que os nossos? .Será que estas pessoas são indiferentes a nós?
Poderiam ser feitas tantas indagações, seriam perguntas sem nexo, respostas que eu mesma daria de acordo com o que penso e nesse caso eu estaria respondendo por eles. Confesso que se eu respondesse, a resposta não seria a mais bela e nem a mais perfeita.
Sabe, por vezes, desejamos apenas um "OI", um abraço, um "como você está?". Coisas simples e sinceras, não discursos prontos e programados.
Já andei por diversos caminhos; já estive em diversos ambientes; já conheci pessoas diferentes e diversas pessoas. Tudo o que eu encontrei foi sempre a mesma coisa, sempres os mesmos sorrisos; sempre os mesmos olhares.
São as pequenas coisas, os pequenos gestos e as pequenas ações que geram os grandes efeitos, as grandes frustrações e as grandes decepções.
Toda regra tem a sua exceção, não é por menos que a exceção foge a regra. Não quero generalizar. Mas onde eu passei a maioria das vezes a regra se fez/faz presente.
O que desejamos são gestos sinceros; sentimentos sinceros.
O que desejamos talvez seja um conto bobo, né? Mas infelizmente ou felizmente essa é a nossa realidade.
Que eu guarde as minhas indignações, que por sinal, ninguém nem vai notá-las!
A.K

sábado, 17 de julho de 2010

A superficialidade

A nossa vida vai se moldando de modo tão superficial.
Nesse mundo de múltiplos disfarces em que nos escondemos de nós mesmos, se torna tão fácil, tão simples, nós nos escondermos dos outros.
Nós nos habituamos a usar a máscara e o disfarce que melhor agrada aos outros.
Temos medo de sermos nós mesmos; na realidade, temos receio de nós mesmos, por isso vamos nos moldando de acordo com que a ocasião exige.
A.K

quinta-feira, 8 de julho de 2010

Sem título

Que abraço forte você tem.
As lágrimas conseguiram se segurar e não cairam.
É tão ruim ter que dizer adeus quando se quer dizer fique... não vá!!
O que me resta são as lembranças, mas estas, são traiçoeiras, se vão rapidamente!
O que me resta então?
Esse foi o último abraço. Na verdade o único e forte abraço.
Um abraço de adeus!
A.K

quarta-feira, 7 de julho de 2010

" Aquele adeus"

As minhas piores recordações estão contempladas em uma fotografia!
Fotos nos traz de volta a um passado que deveria ser esquecido.
Eu fico pensando: como as pessoas gostam de sofrer ou por antecedência ou vão arrastando esse sofrimento até o último dos minutos.
A mim foi colocado as duas opções: eu poderia me arrastar em uma despedida por algum tempo ou simplesmente poderia aprisionar essa mistura de dor e saudade pra ser descarregada no momento oportuno.
A escolha que me coube foi deixar pra descarregar no último momento.
E assim meus dias foram se arrastando, eu sofri, mas ocasionados por outras circunstâncias, e a dor que sentiria com sua partida fui deixando para o momento oportuno.
E hoje revendo uma fotografia, fui forçada a enxergar que esse dia chegou e de súbito me veio a amargura e a tristeza misturada a saudade de ter que ser obrigada a dizer adeus.
Dizem que nada é eterno, mas o que me pertuba e me deixa agoniada é saber que mesmo não sendo eterno, esse adeus se arrastará longamente e eu insisto em pensar que será um "pra sempre".
A saudade que bate em mim tem pesado de tal modo.Nem mesmo as palavras seriam capazes de explicar esse sentimento.
Um amigo que a vida levou pra caminhos opostos e que eu queria que continuasse por perto nos mesmos trilhos que eu seguir.
Só me resta desejar: Boa sorte!
A.K

terça-feira, 6 de julho de 2010

Sem título

Tem certos momentos da vida em que nada faz sentido algum.
Não enxergamos mais que um palmo a nossa frente e descontamos a nossa revolta nos que estão próximos ou numa parede.
Por certas vezes, o que mais desejamos é dormir no mínimo 24h direto para que ao acordarmos as coisas já terem melhorado.
Quando você acha que as coisas estão melhorando, não se preocupe, não se iluda, tudo tende a piorar drasticamente.
Muitas vezes ao errarmos, fazemos desse erro fonte de lamentações e isso nos consome de tal maneira.
O engraçado que o que mais vemos são lições baratas de "auto-ajuda", como se em prática a teoria funcionasse.
A gente sempre quer que os outros façam por nós o que não conseguimos. Achamos que os outros podem agir em nosso nome, mas não podem, nós somos responsáveis por nossa vida, nossos atos e nossas atitudes. Somos nós que construimos a nossa história e ninguém pode fazer por nós o que nós mesmos temos de fazer.
Mas sempre há os que aparecem em nossas vidas, alguns chamam de anjos, pois nos dão uma direção a qual seguir; outros os chamam de amigos; outros os chamam de irmãos. Seja qual o nome que os dão, estes amigos/anjos/irmãos sempre estão conosco para nos ajudar quando mais precisamos, mesmo que muita das vezes não enxergamos isso e o que fazemos é externalizar nossa revolta(infundada) para com estes.
Enfim, apesar de tudo, sempre aprendemos com os nossos erros, sempre com a cabeça fria aprendemos a escutar que quer o nosso bem.
Mesmo tudo sendo tão sem sentido, é aqui que a gente vive!
A.K

domingo, 4 de julho de 2010

As suas atitudes refletem realmente quem você é!?

Sempre tem algumas coisas na vida que estamos habituados demais por ouvir e principalmente a acreditar e seguir o que se ouve.
Uma das coisas que sempre escutei é que " as suas atitudes mostram quem você é". Sabe eu cresci ouvindo isso, mas será que isso deve ser levado os pé da letra mesmo!? Acredito e aposto com convicção que não. Pois nem sempre nossas atitudes falam de nós e quem realmente somos. Tem certos momentos que agimos de modo adverso do habituado e isso não implica que por termos nos portado dessa maneira ou daquela maneira somos desse jeito.
A sociedade impõe muitos preceitos e muitas regras a serem seguidas sem serem questionadas e o pior é que as seguimos sempre.
Então, quando você se porta de modo que vai contra essas "leis" você se sente mal. Como somos "idiotas"(essa é a palavra) por nos preocuparmos com o que os outros estão pensando.
A vida é curta. Devemos nos arriscar e não nos preocuparmos muito com o que os outros estão pensando( embora sempre nos preocupamos).
O que fazemos ou não só compete a nós.
A.K

domingo, 20 de junho de 2010

Quem criou quem?

Querido, desculpe a ousadia dessas palavras.
Peço perdão desde já.
Que estranho são as coisas né!?
Qual a explicação para a criação do mundo e de toda a humanidade?
Como se explica o céu azul, o brilho das estrelas, a imensidão do oceano?
Tentam explicar racionalmente, mas não há explicação, podem até criar explicações(forçadas).
Tentam explicar como sendo algo para além da nossa compreensão(explicações vagas).
Mas quem criou a humanidade? O universo? Quem criou tudo isso?
Quem criou o céu, não criaria o inferno? Pq esse antagonismo?
E pq se criaria só o bem?
E se foi os humanos que te criou? Mas quem criou os humanos?
Quem criou quem?
Quem criou o Princípio?
De onde partiu a Evolução?
Quem criou quem nessa história?
Quem é real?
Para onde vamos?
O que é real e o que é ilusão nessa história toda?
A.K

Um dia tudo acaba

Um dia tudo acaba.
A vida se faz assim, como tendo o seu fim fadado, não teria o pq de ser diferente com tudo o que faz presente em si.
Grandes amizades acabam.
Amores que se dizem verdadeiros chegam ao fim.
A raiva passa.
A alegria se evapora.
As horas passam e os dias se arrastam.
É impressionante como tudo tende naturalmente a prosseguir e a se esvairar pelo ar.
Alguém que um dia se atraveu a proclamar o que sentia, simplesmente se cansou e com isso acomodou-se e fadou as suas expressões. E com isso se tornou inexpressivo.
As palavras simplesmente se evaporaram...
A.K
P.S ( que porcaria isso)

quarta-feira, 16 de junho de 2010

O tempo está corrido

Sem tempo, inspiração ou coisa do gênero pra escrever!
É tempo de correria, final de período da faculdade é tenso! :(
Beijos ...

quinta-feira, 10 de junho de 2010

Maldita Solidão

Como as coisas são extremamente complicadas!
Quando a gente acha que finalmente alguma coisa vai dar certo, acontece algo que muda o rumo completamente.
Maldita solidão que insiste em caminhar comigo, conosco.
Quando você desaparecerá? Afinal, ninguém te convidou, eu pelo menos não, para você se fazer presente.
Você se esconde atrás de um sorriso pra me enganar.
Você se esconde atrás de um gesto de carinho pra me entrelaçar.
Você se esconde atrás de um " eu te amo" pra me enfeitiçar.
Maldita você que me engana, me entrelaça e me enfeitiça e depois mostra a sua cara. Novamente nos tornamos apenas eu e você.
Pq insiste em me seguir e me perseguir!?
Você usa de truques que eu desconheço...
Você se faz presente sem eu querer.
Maldita seja você!
A.K

quarta-feira, 9 de junho de 2010

Um tempo

Talvez, um tempo seja a melhor opção no momento!
Cansei de olhar os dias passar e eu os assistir como telespectadora.
Mesmo em meio a essa canseira, acho que o melhor seria colocar as ideias confusas em ordem, esclarecer certas coisas que são necessárias.
É preciso descobrir o que quero e então direcionar em busca de tal feito.
Tenho andado sem rumo, sem direção.
Tenho deixado que as circunstâncias me levem, esquecendo que não se pode contar com a sorte o tempo todo.
Um tempo de tudo, de todos, talvez, seja a melhor opção.

segunda-feira, 7 de junho de 2010

Eis a nossa natureza!

Eu fico decepcionada ao observar e perceber o quanto as atitudes dos homens são egoístas e individualistas.
Mas, até então, eu me decepcionava ao ver as atitudes de meus semelhantes e esquecia o mais importante, observar as minhas atitudes.
Com o meu egocentrismo aflorado, eu observava sempre em terceira pessoa(ele ou eles) e deixava de lado a primeira pessoa(eu). Assim, me coloquei a criticar e a me decepcionar profundamente com o que via.
Mas, um dia, algo fez com que eu voltasse olhares para a primeira pessoa do singular, ou seja, eu; assim, enxerguei o que via presente em meus semelhantes, tão forte em mim também.
Como,às vezes, ou melhor, muita das vezes nos colocamos em nível superior dos demais e esquecemos que somos tão iguais quanto estes.
O tempo todo eu me colocava como alguém que descrevia o que observava. Como me decepcionei com tudo o que vi/via.
Mas, um dado momento observei, que minhas atitudes se fazem tão iguais quanto. Como me decepcionei ao observar que minhas atitudes, são sim, egoístas e individualistas. O quanto decepcionei ao enxergar que sou tão “humana”.
Mas, enfim, os homens são tão imperfeitos e contraditórios, que acabei percebendo, que são essas imperfeições que os caracterizam e os tornam seres únicos, distinto dos demais animais.
Homem, ser social, racional, imperfeito e contraditório.
Eis aqui a minha, a nossa, natureza!!!!

sexta-feira, 4 de junho de 2010

O peso de nossas atitudes

Às vezes, eu me pego, recordando o passado, e um passado, talvez, nem tão distante assim.
Sempre, acabo por ter a certeza e reforçar, que a vida segue adiante e as coisas que acontecem ou eram pra terem acontecidas, jamais voltará a se repetir novamente.
O engraçado, é que por medo, para evitarmos algum sofrimento, acabamos, optando por certas atitudes, que ao nosso ver será/seria a mais confortável e a mais segura.
Por medo de sofrer, deixamos de arriscar, deixamos de viver.
O mais ironico é que percebemos que com essas atitudes, sofremos do mesmo jeito, talvez, até mais.
Por querermos evitar algum sofrimento, sofremos ainda mais, e quando percebemos, tardiamente(é claro) que poderíamos ter feito diferente, a vida já seguiu o seu curso e o que nos restou foi remoermos, que se tivéssemos feito diferente, a situação seria diferente.
Pecamos duas vezes: por não termos coragem de "viver e arriscar"; por deixarmos passar, e num futuro, ficarmos remoendo o que poderíamos ter feito de diferente.
Mas, enfim, percebemos, que a vida, segue apressadamente o seu curso.
A mim, a nós, nos resta, ficarmos nos martirizando, achando que se tivéssemos feito outras escolhas, as coisas poderiam ter sido diferente.
'Se', 'se', 'se'...
'talvez', 'talvez', 'talvez'...
Só não podemos esquecer que a vida não se baseia nem em 'se' e nem em 'talvez'.
A vida se baseia em atitudes concretas. E por medo de sofrer, nossas atitudes, faz com que acabamos sofrendo.
Olhar para o passado, não resolve, pois o passado já passou!
Temos que viver o presente.
Mas, infelizmente, ficamos com o 'se' e o 'talvez'.
'Se' eu tivesse feito assim, 'talvez' teria acontecido aquilo.
Ohh natureza humana, imperfeita e contraditória!
A.K

quarta-feira, 2 de junho de 2010

Ilusões versus Realidade

Por mais triste que seja, com o tempo, você acaba descobrindo as coisas por si só e conseqüentemente você descobre como realmente são as pessoas.
Eu me impressiono como a vida é feita de ilusões e diga-se que literalmente feita de ilusões.
Como às vezes somos “bobas” e de repente você se ilude com algo ou alguém e começa a encarar essa situação como objetivo único. Às vezes se faz necessário que algo aconteça para você cair em si e perceber que o que vivemos é vida real e não um conto de fadas fantasiado.
Por vezes, idealizamos algo em nossas vidas, e nos prendemos a isso e esquecemos de viver realmente o que importa.
Mas apesar de seu lado triste, pois afinal, ninguém gostaria de se decepcionar, mas apesar de tudo, penso eu, que isso nos engrandece como pessoas e passamos a enxergar determinadas situações com outros olhos.
Embora muitas vezes e a maioria das vezes fazemos isso, mas a vida é muito curta para perdermos tempo lamentando e alimentando falsas ilusões.
A.K

terça-feira, 1 de junho de 2010

Um sonho bom

Hoje, pela primeira vez, depois de muito tempo, pude experimentar o que é escrever palavras de felicidade( mesmo que essa felicidade sempre se resuma em momentos felizes).
Enfim, mas em você, pude enxergar um olhar e um sorriso diferente e diria até sincero( mesmo que eu venha me decepcionar); pude enxergar em você uma luz que me trouxe a paz, embora, você não saiba e nem imagina.
Você sem saber, fez com que eu sentisse vontade de escrever palavras leves, e que eu deixasse ao menos uma vez, o peso das palavras carregadas de tanta dor, ressentimento e decepção.
Você surgiu como sendo o refúgio real para todos os meus medos. Pela primeira vez, percebi que você está aí, você se faz real, você se faz acessível e se deixa tocar.
Será você um sonho bom em meio a tantos pesadelos frequentes em minha vida!?
Você se mostrou como sendo a excessão de todas as minhas regras.
Hoje, só hoje, eu me permito escrever esse texto leve. Esse texto se faz excessão nos meus escritos, assim, como você se faz em excessão no que eu observo.
"Você trouxe a paz em tempos de guerra."
A.K.

segunda-feira, 31 de maio de 2010

Refúgio Momentâneo

Uma das maiores decepções que sentimos em relação aos outros é quando estes não acreditam em nossa capacidade e no que somos é capazes de fazer. Mas a maior decepção que sentimos de nós mesmos é quando não acreditamos no que somos capazes e desconhecemos o que podemos fazer.
Você se decepcionar com os demais é totalmente aceitável, pois estes, sem dúvida irão te decepcionar. Os homens estão fadados ao erro e a decepcionar os seus semelhantes.
Mas e quando a situação se faz oposta; quando nos decepcionamos com nós mesmos e deixamos de acreditar do que somos capazes!?
Qual a saída? Como fugir de si mesmo?
Pois bem, não há saída, a solução se mostra como sendo passageira, sua cama e seu travesseiro se tornam seus confidentes e o sono o seu refúgio.
O sono se apresenta como uma solução rápida e passageira de fugir de si mesmo. Mas até que o sono venha, o travesseiro se mostra como acolhedor de suas lágrimas, o amigo imóvel, que não fala e que só ouve, porém, não muito diferente dos nossos "amigos invisíveis".
O sono e como consequência o adormecer chegam como um refúgio pra tudo, mas um refúgio momentâneo. E quando o despertar acontecer, qual será a saída? Qual será o refúgio? E caso não o tenham!?
A vida se constrói assim, como sendo algo passageira, enlouquecedora e contraditória.
Viver é confuso, visto que " morrer é ridículo".
A.K

domingo, 30 de maio de 2010

Quem sou eu?

Eu olho ao meu redor e nada vejo, ou melhor, vejo tanta falsidade estampada em olhares e sorrisos. O seu sorriso é o mais falso, embora, seja tão encantador.
O que esperar do Futuro se nem o presente eu vivo e o passado já passou!?
O futuro é um pulo no abismo e sem pára-quedas.
O amanhã? O amanhã? O amanhã? E se o amanhã não chegar!? E se você não tiver tempo para concluir seus planos!?
Posso quase que sentir a minha alma gelar ao pensar que o amanhã pode não chegar. E se eu não tiver tempo de descobrir quem sou eu e o que quero!?
Pra que existe a vida, se no amanhã todos vão morrer!? Qual o sentido de você ser obrigado a ver quem você ama sair para uma viagem eterna e sem retorno?
A vida em si, não tem sentido algum, costumo pensar que ela se baseia numa espécie de corrida desesperada que os homens fazem para tentar "viver".
Mas nascer pra que, se o fim de todos é morrer? Eu realmente não vejo sentido algum em nascer para depois morrer(sem querer! Que contradição) e o pior ainda é ter que ver partir as pessoas que mais amamos.
Nascer pra que? Morrer pra que?
E se o amanhã não chegar!? Você terá deixado seus planos e projetos pra trás; a conversa importante com o seu amigo; o beijo terno de seus pais; a sua caneca de tomar café. Você terá deixado tudo e contra a sua vontade! E se eu não quiser morrer? E se você não quiser?
E se o amanhã chegar e eu não ter descoberto o mais importante:
QUEM SOU EU?
A.K

quinta-feira, 27 de maio de 2010

A noite

A noite chega e, com ela meus piores medos e receios, a ausência de luz que trás em si, me deixa estática, alvo fácil de qualquer perigo, mas perigos estes que minha mente cria.
À noite em si trás sua nostalgia, e em meio à escuridão que me encontro, sou posta a pensar e a mergulhar pra dentro de mim. E num ímpeto sou impulsionada a uma viagem, visto que essa é diferente, pois é uma viagem interior. Talvez é aí que more o perigo, pois desprotegida que fico, sou obrigada a buscar abrigo em lugares movediços, lugares estes, que habitam em mim.
Quem conhece a si próprio: anda por lugares já caminhados, anda por lugares de base sólida e tem refúgio contra qualquer ameaça.
Mas e que não conhece a si!? É obrigado a andar por lugares jamais caminhados(e até mesmo evitados); é obrigado a andar por caminhos sem solidez; é obrigado a buscar refúgio no desconhecido.
O que fazer se não tenho opção, pois a noite vem e em si trás a escuridão, é impossível evitar que isso aconteça. É impossível evitar essa viagem.
É impossível evitar...
É impossível...
Impossível...
A.K

quarta-feira, 26 de maio de 2010

Você existe?

Como eu queria que as coisas fossem diferentes, como eu queria me entreter com seu sorriso e mergulhar no seu olhar.
A vida em si poderia não ser tão morma, beirando tão de perto o frio.
As coisas poderiam ser mais fáceis e até mais simples, mas não, eu insisto em percorrer o caminho mais longo e mais árduo, não por objetivar que a recompensa no final será melhor, mas simplesmente, pelo fato de eu não possuir saída.
Eu te vejo, eu te idealizo, eu te busco e eu te quero, em troca ganho sua indiferença, sua mesmice, sua falta de entendimento.
Queria poder em teus braços curar todos os meus medos, minhas dores, mas o que consigo é me aprofundar mais ainda nestes, pois não o encontro na saída; não o vejo a me esperar, aliás, não vejo ninguém a me esperar. É só eu, apenas eu e minha solidão. Queria em teus braços estar e em seu terno abraço me confortar, mas vejo apenas eu, vejo apenas eu e o meu reflexo.
Será você um amigo invisível!? Será você um amigo invisível!? Será!?
A.K

terça-feira, 25 de maio de 2010

"O" Tempo

Como o tempo é traiçoeiro, como é injusto, como é agonizante;
Olho pra trás e vejo que tanto tempo se passou e, nem as lembranças me sobrou, pois o tempo também as levou.
Como num simples piscar de olhos, eu salto pra um horizonte que desconheço, e deixo pra trás caminhos tortuosos, porém sólidos.
Como imaginar o Futuro, se não existe Futuro!?
Como re(viver) o passado, se já passou!?
Como viver o presente, sem estar presente!?
Como?
A.K

segunda-feira, 24 de maio de 2010

Confusões ou Confissões?

Escrever é estar inspirado? Não sei se é isso exatamente, mas hoje, me faltam palavras pra descrever qualquer coisa que eu me proponha a observar. Não sei o pq, visto que hoje é um dia como os demais, talvez seja por isso, por ser exatamente igual à ontem e talvez igual o amanhã. Quero emoção, aventura, coisas novas. Estou cansada da mesmice, estou cansada de olhar pra você e enxergar o seu sorriso encantador e tão falso; estou cansada de olhar pra você e esperar que você possa fazer algo por mim, pois não pode, nem eu posso, mas eu continuo a pensar que você pode(doce ilusão, a minha, é claro). O que se sobrepõe em mim é uma mistura de sentimentos e emoções que eu desconheço e que insistem em se manterem constantes, talvez você ajude, talvez eu também ajude, e se eu não quiser sair desse prisma? Mas e se eu quiser sair e não estiver conseguindo sozinha!? Quanta coisa contida em mim que eu desconheço e não sei externalizar; e eu que pensava que tinha o controle, mas e se eu me enganei!? E por achar que era uma brincadeira, então, não surtiria efeito algum sobre mim, é claro. Mas e se o que eu escrevo for verdade!? Mas e se não for!?
A.K

domingo, 23 de maio de 2010

Surreal?

As lágrimas querem descer e eu insisto em priva-las. O pq de tanta resistência contida em mim? Sabe aqueles contos bobos e aquele último capítulo idiota da novela das 21h? A vida poderia ser boba assim também, eu juro que não ligaria, caso houvesse final feliz pra todos. Mas voltemos a realidade, a fria e verdadeira, visto que esta não é um conto bobo e nem um final de novela fantasiado de modo idiota. O que me acontece? O grito de socorro ecoa no ar. Posso ouvi-lo à distância: S.O. C.O. R.R.O. Onde esse grito vai parar? De onde chegará o refúgio? Aliás, vai chegar? Alguém ouve? Mas esse grito não é interior!? Esse grito não é um grito de silêncio!?
A.K
Tanta coisa pra fazer, tanta coisa por fazer; e assim eu vou sobrevivendo, deixando para trás as promessas que eu fiz e ainda não cumpri.
Por que você tem medo de falar o que pensa, de expressar o que sente!?
Por que você se esconde atrás desse sorriso!?
A.K

Um Porre

Por favor, eu permito me submeter àquele porre.
Um porre pra esquecer a vida, ou melhor, um porre pra viver;
Um porre pra esquecer as angústias;
Um porre pra esquecer as decepções( que são tantas);
Um porre pra esquecer os medos( que dão medo);
Um porre pra esquecer a raiva( mesmo sendo passageira);
Um porre pra esquecer as fraquezas( de alguém tão fraca(o));
Um porre pra esquecer os questionamentos( que são tantos);
Um porre pra esquecer que sou humano(a);
Um porre pra se libertar( a melhor parte);
"Mais uma dose? É claro que tô afim."
Um porre, apenas mais um, pelo menos até amanhã.
A.K

sábado, 22 de maio de 2010

O passado sempre volta a nossa porta

Hoje te vendo me voltaram os medos que eu tinha deixado em um passado em que acreditei que havia ficado pra trás, mas hoje, acabei percebendo que este passado se faz recente e presente. Meu coração gelou ao imaginar que as mesmas cenas poderiam se repetir. O medo de que pudesse se repetir me deixou com lágrimas nos olhos. Mas afinal, o que faz uma pessoa se fechar no seu mundo, esquecer dos que estão em sua volta, de fazer questão de não se lembrar de nada? São medos? Traumas? Angústias? O que faz isso acontecer? Confesso que não sei. Só sei que nunca quero te perder e insisto em ser egoísta e te querer pra mim a vida toda( mesmo sabendo que isso não é possível e eu por saber me amedronto profundamente), qual o sentido nisso tudo? Vejo que não tem sentido algum e se eu continuar em querer entender o incompreensível eu vou enlouquecer. Enlouquecer...
A.K

Sem título

Hoje, definitivamente acordei inspirada,preciso sentir que estou viva, para sentir
sensações de alegria que aparecem muito dificilmente. Me coloquei a pensar, será que alguém seria capaz de sentir minha falta? Que tipo de sentimentos será que despertamos nas pessoas, pelo fato de sermos nós mesmos? A maioria das vezes tenho a sensação que não é o melhor dos sentimentos, pois as poucas vezes que me mostro como sou, parece que não agrado( e isso serve para muita gente, pq as pessoas vestem máscaras para agradar aos outros e assim esquecem de si, mas quando se mostram como são realmente, e isso se faz referência aos defeitos, estes, parecem não agradar. Então o melhor é vestir a máscara de que está tudo perfeito ou ser quem você é, e que dane-se os outros?!)
Queria tocar as pessoas de alguma maneira;
Se não por contato, que seje pelas palavras;
Escrever, é a arte de se libertar.
Se me perguntarem qual o valor de uma amizade,talvez não saberia responder com palavras concretas,pois basta sentir. Só quem tem amigos de verdade é que sabe o verdadeiro valor de um AMIGO, não descrito pelas palavras, pois estas às vezes foge. Mas apenas sentida!
Saudade é o sentimento que não pode ser descrito. Só dói em quem sente!
Palavras fragmentadas e escritos confusos se tornam presentes. Mas pra que ordenar algo que não pode ser colocado em ordem? Pois a confusão está presente em mim também!

sexta-feira, 21 de maio de 2010

Aprende-se

Aprende-se que nunca se perde quando realmente nunca se teve;
aprende-se que não vale a pena quebrar a cara por bobagem;
aprende-se que nunca se esquece quando se é inesquecível;
aprende-se que os bons amigos estão sempre com você;
aprende-se que a dor é irreparável;
aprende-se que a perda é uma ferida que nunca cicatriza;
aprende-se que as conquistas vem com o tempo;
aprende-se a erguer a cabeça e seguir em frente quando se acha que tudo está perdido;
aprende-se que sempre tem alguém com quem possa contar;
aprende-se que pode dividir seus segredos com alguém;
aprende-se que a família é insubstituível;
aprende-se que basta estar vivo para sofrer;
aprende-se que nem sempre o mundo é alegria;
aprende-se que o tempo passa...

quinta-feira, 20 de maio de 2010

Apesar..

Apesar de não estar pra conversa, eu insisto em conversar;
apesar de não querer sorrir, eu insisto em estampar um sorriso no rosto;
apesar de querer que o mundo se dane, eu insisto em não querer sair dele;
apesar de querer chorar, eu insisto em não chorar;
apesar de não saber o que quero, eu insisto em me mostrar segura;
apesar de não querer beber, eu insisto em enxer a cara;
apesar de não querer estudar, eu insisto em estudar;
apesar de não querer ouvir aquela música que me lembre você, eu insisto em ouvi-la;
apesar de querer discrição, eu insisto em me expor;
apesar de sentir raiva de você, eu insisto em querer falar com você;
apesar de achar a vida sem sentido, eu insisto em me manter nela;
apesar de não estar num bom momento pra escrever, eu insisto em escrever essa porcaria;
apesar dos pesares; apesar dos pesares...

quarta-feira, 19 de maio de 2010

E o amanhã?

É impressionante como na correria do nosso dia nos esquecemos das coisas simples; nos esquecemos de parar pra conversar decentemente com nossos pais, irmãos, amigos; é impressionante o modo de como nos preocupamos com nós mesmos e esquecemos de perguntar se o amigo está bem, aliás até perguntamos, mas com grande medo de que ele nos “alugue”. A nossa vida se torna tão corrida, que fazemos as coisas de modo mecânico; passamos sempre nos mesmos lugares, vemos as mesmas pessoas mas esquecemos de reparar nos detalhes. O dia tem 24h e insistimos em fazer que o nosso tempo se torne escasso. O engraçado é que vivemos numa correria tão louca que esquecemos que a nossa hora pode chegar e que não sabemos e nem podemos prever quando será. E ai? De que adianta tanta correria, que eu nem sei lá pra que. E se o amanhã não chegar e você não ter “tido tempo” de dizer pros seus pais o quanto os amam, de ter dito pro seus irmãos o quanto os amam, de ter escutado os seus amigos que tanto precisaram de você. A vida é demasiada curta para tentarmos deixar as coisas para amanhã. Afinal, “ o amanhã pode não chegar”. E de que vai adiantar tanta correria?!
A.K

Vida

Nem alegre,nem triste.Vazio!!
Ultimamente nem a tristeza me afeta.
Visto que esta sempre me abalava.
Mas percebi que em certos momentos,
ela volta à nossa porta.
E essa tal felicidade?
Que sempre procurei,
mas nunca encontrei.
Por onde andarás, que foge ao meu encontro.
O medo do Futuro me assusta,
a insegurança me estremece.
Crescer, minha gente, é difícil a qualque um.
Requer habilidades que você não está preparado.
E a Vida, o que é?
Uma doce ilusão,
Nunca entendi e nem compreendi.
É, pois, um enigma indecifrável em minha mente.
Estamos em constantes mudanças,
Estou tentando me entender,
Está difícil.
Não sei o que quero, nem o que pretendo.
Só queria encontrar o caminho.
Não quero ficar só.
Visto que a solidão me assusta.
A.K

E a Vida?

“ E a vida, o que é diga lá meu irmão... ela é uma doce ilusão? È alegria ou é sofrimento? Mas e a vida, o que é, diga lá meu irmão(...)”
O que é a vida, senão uma aventura misteriosa, algo incompreensível por nós humanos, seres dotados de imperfeições. Já me indaguei inúmeras vezes do pq de estarmos aqui nesse Espaço cujo nome deram de Planeta Terra; e confesso que todas as indagações me deixaram mais confusa ainda. Se formos buscar respostas racionais, não tem nada que prove; se formos buscar respostas místicas, no meu caso, nada prova também.
Então, me pergunto sempre com questionamentos, o pq de nascermos, se vamos morrer, o pq de termos que ver partir os nossos entes queridos?!
O engraçado da vida, é que se você perguntar pra muita gente: o que você quer pra sua vida? Muitos deixando de lado bens materiais, responderão que querem ser felizes. Mas afinal, o que é essa tal felicidade que acreditamos que possa existir?
Certa vez, indaguei sobre a felicidade- visto que nunca senti essa realmente, a não ser por um curto espaço de tempo- e um conhecido me respondeu que não existe felicidade e sim momentos felizes; confesso que desde então comecei a perceber que o que realmente existe são momentos felizes.
Por incrível que pareça, a felicidade sendo instantânea , ela não penetra tanto em nosso ser quanto penetra a tristeza, esta te incomoda, te perturba.
Mas, se você reparar bem, é nos momentos de angústia, de tristeza, é que crescemos mais e aprendemos mais.
Eu já acreditei em “acaso” , mas este, nunca me provou nada, ao contrário, deixou um grande espaço completamente incompreensível.
O futuro é o andar por caminhos desconhecidos, é um horizonte imaginável.
Já procurei e esperei pelo grande amor da minha vida, alguém em que apostei e acreditei que traria a minha felicidade, mas ambos, não chegaram!
Se por acaso me perguntarem se sou infeliz, confesso que responderei que não. Eu apenas não sou feliz, portanto tenho um vazio que carece ser preenchido.
Às vezes tenho a impressão que caminharei a vida toda em linha reta, sempre na mesma direção, linearmente, e jamais encontrarei as respostas pra algo que eu mesma nem sei que procuro.
Um dia resolvi me abrir com algumas pessoas, alguns em que achei que poderia confiar. Resultado: os seres humanos são imperfeitos e acabei me decepcionando.
Já idealizei sonhos como toda criança, já tive medo de perder quem eu amo- e ainda tenho-, já me decepcionei com alguém que eu considerava importante, já tive um amor platônico que me doeu, tive amigos em que pude chorar no ombro e a quem estendi a mão quando precisaram. Já entrei em contradição...
Humanos, imperfeitos e contraditórios.
Escrever é expressar por palavras o que não conseguimos falar por sons.
A.K

terça-feira, 18 de maio de 2010

O que exatamente me movimenta?

Hoje, pela primeira vez em muito tempo, fui em uma festa e decidi não beber! Que coisa estranha! Mas resolvi fazer isso! Comecei a reparar o ambiente em que estava, pessoas descontraídas, ambiente tranquilo, o alcool subindo, e eu parada estática, só observando... me senti vazia, deslocada; mas afinal, o que exatamente me movimenta? Que vazio me bateu, que solitária me senti, quis sair correndo de lá. Mas o que me aconteceu? Que quero eu exatamente?
A.K

O Triste Amanhã

E amanhã, quando eu acordar e re(fazer) o mesmo caminho , passar nos mesmos lugares, ver as mesmas pessoas, ir ao mesmo lugar e aparentemente tudo a mesma coisa do dia anterior; olho pro mesmo lugar que olho sempre, e percebo que algo mudou, vejo que não encontro mais o seu carro estacionado ali, isso é um sinal de que algo mudou, que o amanhã chegou e que você partiu e que ficou a lembrança, que por sinal, corre o risco de ser fragmentada com o passar dos dias!
A.K

Humanos

Eu desacreditei de certo modo na natureza humana, eu me incluo também nesse ciclo! Mas isso talvez pelas pessoas não corresponderem de acordo com as nossas expectativas, mas nesse caso, eu me contradigo, pois o que carrego então se transforma em decepção! Você aprende que apesar de confiar em certas pessoas, estas podem te decepcinar, e então, a sua decepção se torna maior ainda. Aprendi a me limitar ao máximo ao expor o que eu sinto para os outros, quem te escuta pode não te compreender! Aprendi também o significado da palavra Amor-Próprio.
Não implore e principalmente não deseje a compaixão de ninguém! Os seus amigos vão te entender do jeito que você é! As amizades sinceras são poucas, mas tem algumas poucas que te faz acreditar que existe algo de bom!
A.K

Sem título

Já idealizei sonhos como toda criança, já tive medo de perder quem eu amo-e ainda tenho-, já me decepcionei com alguém que considerava importante, já tive um amor platônico que me doeu, tive amigos em quem pude chorar no ombro e a quem estendi a mão quando precisaram. Já entrei em contradição... Humanos, imperfeitos e contraditórios.
A.K